04 janeiro 2020

Sou Professora/Educadora

(retirado da net)

20 outubro 2019

Pedaços de Mim



Este é o meu último livro, editado e já à venda. Os meus visitantes e leitores, podem adquiri-lo, aqui, por mensagem (comentário) ou aqui https://www.facebook.com/ang.monforte/posts/10206394754464031 que eu darei mais pormenores de como o poderão adquirir.
É o terceiro livro, do qual me sinto muito feliz, por, finalmente o ver publicado e espero continuar a escrever e a crescer como Poetisa, como Mulher, como Ser Humano melhor .
E, já agora...OUSEM SER FELIZES!!!

28 setembro 2019

Convite


Para todos os meus leitores e visitantes, aqui deixo o convite da apresentação do meu próximo livro. Apareçam, faço muito gosto na vossa presença.


03 setembro 2019

Por vezes a ovelha negra é a pessoa mais sadia da família



Nos núcleos familiares, não raro se tomam como ovelhas negras justamente as pessoas que contestam, que ousam, que enfrentam o que, embora já esteja estabelecido há muito tempo, trata-se de algo que precisa ser mudado, oxigenado, a fim de se quebrar uma falsa base da zona de conforto que se perpetua há anos.
É muito difícil encontrar um parâmetro do que possa ser considerado normal ou não. Para alguns, a normalidade está atrelada a comportamentos padronizados socialmente; para outros, tem a ver com preceitos religiosos, e por aí vai. Fato é que, muitas vezes, confunde-se normalidade com calmaria, quietude e obediência, sendo que uma coisa não necessariamente depende da outra.

Quantas vezes nós mesmos não temos uma impressão errada sobre alguém que se veste de uma forma totalmente peculiar, ou possui um corte de cabelo diferente, alguém que, aparentemente, foge ao que é considerado normal? Ou sobre alguém que abraça as causas em que acredita de uma maneira efusiva, brigando por elas sempre que necessário, até mesmo empunhando cartazes e saindo às ruas?
Pois é, a aparência não tem nada a ver com a essência humana, mas parece ser tão difícil entender isso. Difícil porque o mundo de hoje se baseia naquilo que se vê, naquilo que se ostenta, nas grifes que se vestem, no poder de compra, no tanto que se consome. Com isso, torna-se cada vez mais difícil enxergar o essencial de cada um, aquilo que a pessoa realmente possui dentro de si e consegue viver, praticar, sem machucar ninguém pelo caminho. É o que fazemos que importa, não o que falamos e aparentamos por aí.

E, nos núcleos familiares, não raro se tomam como ovelhas negras justamente as pessoas que contestam, que ousam, que enfrentam o que, embora já esteja estabelecido há muito tempo por várias gerações, trata-se de algo que precisa ser mudado, oxigenado, a fim de se quebrar uma falsa base da zona de conforto que se perpetua há anos.
Porque ninguém é obrigado a manter um casamento fracassado ou a se vestir seguindo a moda, somente porque sempre foi assim entre os familiares. Os ousados é que promovem avanços que abrem novos caminhos a muita gente sem coragem. Portanto, é preciso muita cautela ao julgar alguém que já foi julgado, pelas pessoas ou pelos familiares, como sendo uma ovelha negra, visto que somente a convivência e o tempo é que mostram realmente o que cada um é de fato.
Muitas vezes, apenas se trata de alguém que não se sujeitou a regras e comportamentos ditos como normais, sabe-se lá por quem ou por quê, e resolveu viver de acordo com as batidas do próprio coração. Trata-se, enfim, de alguém que não se permitiu ser aceito pelos outros em troca da própria felicidade.

via; contioutra

17 agosto 2019

Sinto-me...


Sinto como que uma parte de mim estivesse quebrada e eu não tenho a cola certa para colar esses pedaços que se quebraram.
A estrada da vida, com seus buracos, altos e baixos, cruzamentos, escolhas, mágoas, feridas mal curadas, abandonos, criticas, julgamentos precipitados de quem menos se espera, a falta de apoio, porque mostramos ser fortes o tempo todo, leva-nos a não termos um abraço na hora certa, um apoio quando mais precisamos, e quando estamos mais fragilizados é quando mais nos atacam e pisam.
Sinto-me quebrada, partida por dentro, uma parte de mim, não tem conserto, depois das tempestades por que passei, dobrei, quebrei, e apesar da outra parte de mim ser segura de si, optimista, alegre, sorridente, essa parte, não consegue consertar a parte que se quebrou e que eu tenho guardado, escondido, ao longo do tempo, mas que me sufoca, me retira as forças, me esgota.
Difícil de entender? Talvez sim, mas em cada um de nós habita sempre um lado mais obscuro, mais negro, aquele que a vida vai quebrando com os seus embates.
Se aprendi algo? Muito, a caminhada da vida faz-se só, daí quebrarmos, partirmos, mas o aprendizado é imenso e crescemos e transformamos o outro lado de nós em Esperança, em Paz, em Fé.
Mas, não deixo de me sentir quebrada, partida por dentro e sem a cola certa para unir os pedaços partidos.

angelis
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...