03 fevereiro 2014

A face oculta do cancro da mama…


O cancro da mama não passa somente pela aceitação mais ou menos fácil do seu diagnóstico. Passa também, e é aí que a sua face oculta se começa a revelar, pelo abandono dos maridos, dos companheiros e namorados, quando são confrontados com esse mesmo diagnóstico, deixando suas esposas, companheiras e namoradas sozinhas nesta viagem alucinante de combate ao cancro.
Mas, há outras faces ocultas, o olhar ao espelho a mutilação, a amputação da mama, e quantas vezes, das 2 mamas. Das reconstruções mal feitas, que resultam num desespero psicológico pior do que amputação, para não falar naquelas mulheres em que a reconstrução não é possível, mas que a perseguem como uma tábua de salvação, enterrando-se num desespero psicológico profundo, de onde não conseguem sair.
A incompreensão familiar, que não percebe a fragilidade de quem combate e luta para se salvar do cancro da mama, mas que bem no fundo da sua alma, tem sempre presente que pode sofrer uma recidiva, que pode morrer, que os tratamentos a fragilizam física e mentalmente, e que isso não significa que desiste de lutar, apenas se sente frágil, cansada e que sofre os efeitos secundários, extremamente agressivos dos tratamentos e que muitas vezes, apenas precisa de paz e sossego.
Só quem passa por uma situação como esta, se apercebe destas fragilidades, só quem está a fazer estes tratamentos e tem contacto com outras mulheres na mesma situação, e ouve as suas histórias e vivências bem reais e sofridas, se confronta com a outra face do cancro da mama, que não é um laço cor de rosa, e podem comprová-lo aqui neste link http://obviousmag.org/archives/2012/08/scar_project_-_o_cancer_de_mama_nao_e_uma_fita_rosa.html leiam o artigo, vejam as fotos.
Sejamos corajosas, lutadoras e enfrentemos esta luta com Coragem, Fé e Esperança e falemos do que nos perturba e magoa com frontalidade, pois somos Mulheres de armas, mas que também sofrem e choram e têm direito às suas fragilidades.

1 comentário:

  1. Muito bom tua matéria. Assim como neste caso. O mesmo se dá para vários diagnóstico de doenças. A mulher sempre é fragilizada. E a sociedade não se compromete com nada.
    Cada um segue sozinho com sua dor. Falam em preconceito. Mas vá você cair numa situação e precisar que te amparem e te compreendam. Não existe isso. Você é deixado ao largo. Infelizmente vi com tristeza casos semelhantes, meu querido sobrinho por ter HIV uma criança somente foi mandada embora do colégio. Ninguém se importa. O ser humano é preconceituoso e tudo que está fora do padrão do que é aceitável é excluído. Só que não se apercebem que somos todos diferentes. Então todos somos excluídos. Onde está a tolerância. Não existe. O ser humano se transformou num monstro.

    ResponderEliminar

Blog Widget by LinkWithin