21 dezembro 2009

Feliz Natal


A Árvore de Natal já está feita? Espero que sim e que brilhe muito e que os presentes de Natal não faltem.


Não se esqueceram de escrever ao Pai Natal, pois não? É que sem cartinha a pedir prendinhas, o sapatinho pode ficar vazio.


Indispensável, e não pode faltar, ao pé da árvore ou em outro local…o presépio, celebrando o nascimento de Cristo.
Mas acima de tudo, que esta época e todos os dias do ano, vos tragam PAZ, HARMONIA, FELICIDADE, PERDÃO, SOLIDARIEDADE e SAÚDE para todos vós, familiares, amigos e colegas de trabalho.


Um Santo e Feliz Natal e um Novo Ano pleno de realizações pessoais e profissionais, são os meus sinceros e singelos votos.

18 dezembro 2009

Árvore de Natal



Antecedentes
A Árvore de Natal é um pinheiro ou abeto, enfeitado e iluminado, especialmente nas casas particulares, na noite de Natal.

A tradição da Árvore de Natal tem raízes muito mais longínquas do que o próprio Natal.

Os romanos enfeitavam árvores em honra de Saturno, deus da agricultura, mais ou menos na mesma época em que hoje preparamos a Árvore de Natal. Os egípcios traziam galhos verdes de palmeiras para dentro de suas casas no dia mais curto do ano (que é em Dezembro), como símbolo de triunfo da vida sobre a morte. Nas culturas célticas, os druidas tinham o costume de decorar velhos carvalhos com maças douradas para festividades também celebradas na mesma época do ano.

Segundo a tradição, S. Bonifácio, no século VII, pregava na Turíngia (uma região da Alemanha) e usava o perfil triangular dos abetos com símbolo da Santíssima Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo). Assim, o carvalho, até então considerado como símbolo divino, foi substituído pelo triangular abeto.

Na Europa Central, no século XII, penduravam-se árvores com o ápice para baixo em resultado da mesma simbologia triangular da Santíssima Trindade.

Árvore de Natal como hoje a conhecemos
A primeira referência a uma “Árvore de Natal” surgiu no século XVI e foi nesta altura que ela se vulgarizou na Europa Central, há notícias de árvores de Natal na Lituânia em 1510.

Diz-se que foi Lutero (1483-1546), autor da reforma protestante, que após um passeio, pela floresta no Inverno, numa noite de céu limpo e de estrelas brilhantes trouxe essa imagem à família sob a forma de Árvore de Natal, com uma estrela brilhante no topo e decorada com velas, isto porque para ele o céu devia ter estado assim no dia do nascimento do Menino Jesus.

O costume começou a enraizar-se. Na Alemanha, as famílias, ricas e pobres, decoravam as suas árvores com frutos, doces e flores de papel (as flores vermelhas representavam o conhecimento e as brancas representavam a inocência). Isto permitiu que surgisse uma indústria de decorações de Natal, em que a Turíngia se especializou.

No início do século XVII, a Grã-Bretanha começou a importar da Alemanha a tradição da Árvore de Natal pelas mãos dos monarcas de Hannover. Contudo a tradição só se consolidou nas Ilhas Britânicas após a publicação pela “Illustrated London News”, de uma imagem da Rainha Vitória e Alberto com os seus filhos, junto à Árvore de Natal no castelo de Windsor, no Natal de 1846.

Esta tradição espalhou-se por toda a Europa e chegou aos EUA aquando da guerra da independência pelas mãos dos soldados alemães. A tradição não se consolidou uniformemente dada a divergência de povos e culturas. Contudo, em 1856, a Casa Branca foi enfeitada com uma árvore de Natal e a tradição mantém-se desde 1923.

Árvore de Natal em Portugal
Como o uso da árvore de Natal tem origem pagã, este predomina nos países nórdicos e no mundo anglo-saxónico. Nos países católicos, como Portugal, a tradição da árvore de Natal foi surgindo pouco a pouco ao lado dos já tradicionais presépios.

Contudo, em Portugal, a aceitação da Árvore de Natal é recente quando comparada com os restantes países. Assim, entre nós, o presépio foi durante muito tempo a única decoração de Natal.

Até aos anos 50, a Árvore de Natal era até algo mal visto nas cidades e nos campos era pura e simplesmente ignorada. Contudo, hoje em dia, a Árvore de Natal já faz parte da tradição natalícia portuguesa e já todos se renderam aos Pinheirinhos de Natal!

14 dezembro 2009

Presépio de Natal

(imagem retirada da internet)

Significado do presépio de Natal
O presépio é uma montagem com peças, que faz referência ao momento do nascimento de Jesus Cristo. Com o menino Jesus na manjedoura ao centro, o presépio apresenta o local e os personagens bíblicos que estavam presentes neste importante momento cristão.

Origem do presépio de Natal
De acordo com fontes históricas, o primeiro presépio foi montado por São Francisco de Assis no Natal de 1223. O frade católico, montou o presépio em argila na floresta de Greccio (comuna italiana da região do Lácio). Sua ideia era montar o presépio para explicar às pessoas mais simples o significado e como foi o nascimento de Jesus Cristo.
No século XVIII, a tradição de montar o presépio, dentro das casas das famílias, popularizou-se pela Europa e, logo de seguida, por outras regiões do mundo.

Tradição da montagem do presépio
É tradição em várias regiões do mundo a montagem do presépio na época de Natal. Os presépios podem variar em tamanho e materiais usados. Existem presépios minúsculos e outros em tamanho real. As peças podem ser feitas de madeira, argila, metal ou outros materiais. O mais comum, actualmente, é a montagem dentro das casas das famílias cristãs. Porém, encontramos também presépios em lojas, empresas, praças, escolas e outros locais públicos.

Peças do presépio (personagens representados)
- Menino Jesus (filho de Deus e o Salvador)
- Virgem Maria (mãe de Jesus Cristo)
- José (pai de Jesus Cristo)
- Manjedoura com palhas num curral (local onde nasceu Jesus)
- Burro e Boi ou ovelhas (animais do curral, representam a simplicidade do local onde Jesus nasceu)
- Anjos (responsáveis por anunciar a chegada de Jesus)
- Estrela de Belém (orientou os reis Magos quando Jesus nasceu)
- Pastores (representam a simplicidade das pessoas do local em que Jesus nasceu)
- Reis Magos (Melchior, Baltazar e Gaspar)

(texto retirado da internet)

05 dezembro 2009

Histeria



Hoje é o 5º dia do mês de Dezembro de 2009 e a histeria deste mês já se começou a sentir no final do mês passado.
Que se passa connosco? Que se passa com os homens e mulheres de hoje?
Cheira a Natal e entra-se em histeria compulsiva!!! Comprar…comprar…gastar…gastar…tenhamos ou não recursos, compramos, possamos ou não, gastamos…no que precisamos e no que não serve para nada.
Brilha, é para comprar, está em promoção é para adquirir.
Onde está o verdadeiro espírito natalício? Para onde foi a compaixão, a boa vontade, o olhar atento para o que nos rodeia?
Natal é sempre que um Homem quiser…mas pelo calendário, está definido que seja a 25 de Dezembro, onde em todos os lares do Mundo (pelo menos nos lares cristãos) se deveria festejar o nascimento de Cristo, mas em vez disso, festejam-se as prendas mais caras, mais sofisticadas e menos necessárias.
Reparamos no que o pai, o tio, o primo receberam e que (na nossa perspectiva egoísta) é melhor do que nós recebemos.
E o AMOR, a PARTILHA, o ENTENDIMENTO onde ficaram????
Critica eu?!! Amarga?!!!
Nem pensar…apenas realista, apenas atenta a uma realidade que em nada dignifica a Sociedade actual, a Familia e o Ser Humano.
Celebremos a AMIZADE, a FRATERNIDADE, a COMPAIXÃO e nessa histeria desenfreada, que haja espaço para a SOLIDARIEDADE, o PERDÃO e algum tempo e uns poucos euros para quem necessita e não sabe o que é o Natal.
Um pequeno gesto não custa nada. Darmos um pouco, uma peça de roupa esquecida no fundo do armário (e que não vestimos há imenso tempo e nem gostamos), um bem alimentar essencial (1kg de arroz, 1 litro de leite, etc), para que o Natal chegue a eles também, aos nossos irmãos mais desfavorecidos.
Utópica??!! Talvez, mas não é impossível deixarmos de lado um pouco do nosso egoísmo e ajudarmos.
Pensem nisso, e…OUSEM SER FELIZES!!!

15 novembro 2009

Terapia do elogio

"Não é porque as coisas são difíceis que não nos arriscamos, é por não nos arriscarmos que as coisas se tornam difíceis"

TERAPIA DO ELOGIO
Arthur Nogueira (Psicólogo)

Renomados terapeutas que trabalham com famílias, divulgaram uma recente pesquisa onde se nota que os membros das famílias estão cada vez mais frios, mais distantes, não existe mais carinho, não valorizam mais as qualidades, só se ouvem críticas.

As pessoas estão cada vez mais intolerantes e desgastam-se valorizando os defeitos dos outros.
Por isso, os relacionamentos de hoje não duram.



A ausência de elogio está cada vez mais presente nas famílias de média e alta renda. Não vemos mais homens elogiando suas mulheres ou vice-versa, não vemos chefes elogiando o trabalho de seus subordinados, não vemos mais pais e filhos elogiando-se; amigos, etc.

Só vemos pessoas fúteis valorizando artistas, cantores, pessoas que usam a imagem para ganhar dinheiro e que, por consequência são pessoas que têm a obrigação de cuidar do corpo, do rosto.

Essa ausência de elogio tem afectado muito as famílias.

A falta de diálogo em seus lares, o excesso de orgulho impede que as pessoas digam o que sentem e levam essa carência para dentro dos consultórios.

Acabam com seus casamentos, acabam procurando em outras pessoas o que não conseguem dentro de casa.

Vamos começar a valorizar nossas famílias, amigos, alunos, subordinados. Vamos elogiar o bom profissional, a boa atitude, a ética, a beleza de nossos parceiros ou nossas parceiras, o comportamento de nossos filhos.
Vamos observar o que as pessoas gostam. O bom profissional gosta de ser reconhecido, o bom filho gosta de ser reconhecido, o bom pai ou a boa mãe gostam de ser reconhecidos, o bom amigo quer sentir-se querido, a boa dona de casa valorizada, a mulher que se cuida, o homem que se cuida, enfim vivemos numa sociedade em que um precisa do outro; é impossível um homem viver sozinho, e os elogios são a motivação na vida de qualquer pessoa.

Quantas pessoas você poderá fazer feliz hoje elogiando de alguma forma?

Comece agora!

05 novembro 2009

Poetas numa conversa informal

A Papiro Editora juntou alguns dos seus poetas numa conversa informal, conforme noticiei no meu último post.
A Localvisão esteve presente e registou o evento.

Encontro de Poetas

Esta é mais uma das formas de se fazer chegar a poesia, a escrita a toda a gente, sem medo, pois a poesia é algo belo, algo que vem do mais profundo da alma de quem a escreve e tem a coragem de a partilhar, de a lançar ao mundo.

29 outubro 2009

Encontro de poetas

A Papiro Editora, o Clube Literário do Porto têm o prazer de convidá-lo(a)

:: Dia 31 Sábado
Piano-bar do Clube Literário do Porto
Rua Nova da Alfândega, 22 4050-430 PORTO


16h00
Encontro de poetas «À margem do Douro»


"…nesta luz que a tarde esfria" de Maria Virgínia Monteiro
"Ao pé das Palavras" de Helder Ramos
"Ventos do Sul" de Angela Monforte
"Ode à Vida e outros poemas" de
Carlos Sousa Ramos
"Pontes da minha compreensão"
de
Bruno Reverendo


Apareça se puder, e... traga outro(a) amigo(a) também!
A entrada é livre.

17 outubro 2009

Reflexão


AMIZADE E AMOR DEFINIDOS NUMA SIMPLES FOTO.......
'Aprendi que um homem só tem o direito de olhar um outro de cima para baixo para ajudá-lo a levantar-se'.
(Gabriel Garcia Marques).

14 outubro 2009

Na escola...


Na escola em 1969 e em 2009...

26 setembro 2009

Amor

(foto de Nuno Belo)

Beijo
Caricia
Paixão
Corpos entrelaçados
Tu e eu
Infinito
Caminho


14 setembro 2009

Jô Soares, a propósito da profissão - Professor



O material escolar mais barato que existe na praça é o professor!
É jovem, não tem experiência.
É velho, está superado.
Não tem automóvel, é um pobre coitado.
Tem automóvel, chora de "barriga cheia”.
Fala em voz alta, vive gritando.
Fala em tom normal, ninguém escuta.
Não falta ao colégio, é um “Adesivo”.
Precisa faltar, é um “turista”.
Conversa com os outros professores, está “malhando” nos alunos.
Não conversa, é um desligado.
Dá muita matéria, não tem dó do aluno.
Dá pouca matéria, não prepara os alunos.
Brinca com a turma, é metido a engraçado.
Não brinca com a turma, é um chato.
Chama a atenção, é um grosso.
Não chama a atenção, não se sabe impor.
A prova é longa, não dá tempo.
A prova é curta, tira as hipóteses do aluno.
Escreve muito, não explica.
Explica muito, o caderno não tem nada.
Fala correctamente, ninguém entende.
Fala a “língua” do aluno, não tem vocabulário.
Exige, é rude.
Elogia, é debochado.
O aluno é retido, é perseguição.
O aluno é aprovado, deitou “água-benta”.
É! O professor está sempre errado, mas, se conseguiu ler até aqui, agradeça a ele.


(Jô Soares)

04 setembro 2009

01 setembro 2009

28 agosto 2009

Desalinho

(foto de Nuno Belo)

Em desalinho ficaram
Os lençóis brancos
Em desalinho ficaram
Nossos corpos desnudados
Em desalinho ficou
Meu coração acelerado
Olhei para ti
Olhos nos olhos
Alma na alma
E em desalinho
Tua alma ficou
Corpos entrelaçados
Almas desalinhadas

angelis

30 julho 2009

Volto já...



Volto já...
Está na hora de partir, de descansar, relaxar...bronzear...
Férias merecidas, descanso esperado...
Fiquem bem, sorriam, amem, abracem a Vida, brinquem...
Até lá...OUSEM SER FELIZES!!!

22 julho 2009

School Bus Japão X Índia

AUTOCARRO ESCOLAR NO JAPÃO




E NA ÍNDIA
???? ??????? ?????? ??????


Palavras para quê? As diferenças são visiveis, ou não?

12 julho 2009

Vazio

Desconcertante…
Desesperante…
Irracional…
Vazio é o meu coração
Inconsistente
Irritante
Vazio é o meu caminho
Perdida de mim
Encontro-me em ti
E no vazio
Que nos rodeia

angelis

22 junho 2009

07 junho 2009

O que uma Educadora deve ter...

Uma memória de elefante, para de tudo se lembrar.
Uma paciência de anjo, para a todos educar.
Olhos à volta da cabeça, para tudo poder ver.
Resposta automática, para a todos responder.
Microfone incorporado, para tudo registar.
Umas costas bem largas, para tudo isto aguentar.
Ouvidos com controlo de intensidade, para não ficar com a cabeça atordoada.
E uma voz bem resistente, para não ter de ficar calada.
Oito braços como um polvo, para a todos ajudar.
E um coração de criança, para tudo apreciar.
Um bom filtro nasal, para aos maus cheiros resistir.
E um enorme bom humor, para tudo encarar a rir!
Mais 10 dedinhos de fada, que ajudem a trabalhar…
E umas pernas de atleta, para os mais pequenos apanhar.
Conhecimentos de informática, para usar o computador.
E também de medicina, para aliviar a dor.
Precisa também de ter muita cultura geral.
E nas áreas científicas, não poderá dar-se mal…
Biologia, Matemática e também Meteorologia.
Para além de Físico-química e também Geografia.
Tem de saber Psicologia, para lidar com as pessoas.
E dizer, sem magoar, às vezes coisas menos boas…
Enfim, uma Educadora à medida da necessidade,
Só feita por encomenda, não vos parece verdade?

Adaptação livre de texto encontrado na internet - Maria Jesus Sousa - Educadora de Infância

28 maio 2009

Só por cá...

Na terça-feira (dia 26) fui internada no Hospital de S. João para fazer um exame médico (extremamente delicado) que necessitava de internamento e vigilância médica, durante cerca de 12 horas (no minimo).
Até aqui, nada a fazer, cheguei lá por volta das 8h30m, fui (gentilmente) acompanhada por um médico (espectacular e profissional) ao internamento, onde (passados poucos minutos) uma enfermeira me fez 1 visita guiada ao serviço e me pediu para vestir o pijama e aguardar (em jejum, que era 1 requisito obrigatório para o referido exame).

Por volta das 11h30m, aparecem 2 médicos para me fazer o exame e 1 enfermeira para me colocar um cateter para o soro. A enfermeira vasou 2 veias e pôs-me o pulso negro e não colocou o cateter e, quando iam iniciar o exame, queixei-me com dores. Resultado? Não fiz o referido exame, pois teria que fazer 1º uma ecografia para verificar a origem das dores.

Fiquei em jejum o dia todo, não fiz a ecografia, senti-me mal e só pude comer ao jantar, e algo leve.

No dia seguinte (4ª feira) a história repete-se e eu fico em jejum até às 12h30m, até que "me encostam à parede". Não sabem quando eu poderei fazer a ecografia, pois não é urgente...grrrrr...poderia ser nesse dia, ou 5ª ou 6ª feira, mas teria que ficar sempre em jejum até ver se era possivel fazer a eco. E, como eu me tinha queixado com dores não me fizeram o outro exame para o qual fui internada e agora ou aguentava ou davam-me alta e vinha fazer a eco cá fora e depois ligava para o hospital a marcar, novamente o internamento.

Resultado desta aventura digna de um thriller? Deram-me alta, 1 requisição para fazer a ecografia fora do hospital, veladamente acusaram-me de, pelo facto de me ter queixado com dores não me fizeram o exame para o qual fui internada, por isso a culpa era minha desta situação toda e vim embora, com um pulso todo negro e inchado de me terem picado, faltei 2 dias ao trabalho e não fiz o que me levou ao hospital.

Se não me tivesse queixado, faziam-me o exame e se corresse mal a culpa era minha por não ter dito nada...Queixei-me, a culpa foi minha por me ter queixado e por isso não me fizeram o exame...

A saúde está doente neste país e nós somos meros números no sistema de saúde e no hospital.

Só mesmo neste país, armado em grande, que gasta milhões onde não deve (só para fazer bonito) e tem um serviço hospitalar arrepiante, desumanizado, impessoal e se eu contasse o que vi e assisti (nestes 2 dias no hospital) deixaria muito boa gente horrorizada, tal como eu fiquei.

Reclamar a quem? Quem ouve quem sofre numa cama do hospital? E fiquemos por aqui...que isto tem pano para mangas e fato completo...!!!

Até lá...OUSEM SER FELIZES!!!

16 maio 2009

Vem ser professor

(clica para ler)
Palavras ou comentários para quê? Este cartoon retrata bem a vida do professor nos dias de hoje.
Dá que pensar...mas é a realidade.
Até lá...OUSEM SER FELIZES!!!

10 maio 2009

Destino



Uma mão…
Um destino…
Um desejo…
Uma carícia…
Olho a mão
Um gesto que fica
Suspenso no ar
Como suspenso
Fica tudo o que me rodeia
Desejaria ficar
Ficar em lado algum
E encontrar alguém
Alguém que não fosse
Ninguém
Que me desse a mão
Que entrelaçasse
Os nossos destinos
Que me fizesse
Sentir desejo
Que me envolvesse
Numa carícia perfumada
E continuo a olhar a mão…
Vagueando o pensamento
Pela rota traçada
Pelo destino

(do meu livro "Ventos do Sul")

03 maio 2009

Três gerações…


Avó, filha e neta…três gerações juntas num abraço feliz!!!
E, como é bom partilhar este abraço, com um sorriso, com muita ternura e AMOR.
Quantas mulheres poderão ter este momento?
Quantas mulheres poderão juntar três gerações no mesmo abraço?
Tenho um enorme orgulho e respeito por minha Mãe, pela educação e principios que me deu (a mim e à minha irmã), pelo árduo trabalho de uma vida.
Mas, também sei o orgulho que tem nas filhas e a felicidade que ela sente ao ver-nos felizes e realizadas, sem esquecer o imenso amor que tem pela única neta.
Hoje, aqui e agora, apenas quero prestar uma singela homenagem à minha MÃE e a todas as MÃES do Mundo, porque ser MÃE não é só neste dia, mas em todos os dias, em todas as horas das suas vidas.


OBRIGADA MÃE!!!

01 maio 2009

Foi assim...

Foi assim que aconteceu a apresentação do meu livro, no passado dia 24 de Abril.
A noticia, saiu, hoje, no semanário "Noticias do Douro", que me deixou imensamente orgulhosa.

(clica para ler)

Poderão, também, ler a noticia aqui

Até lá...OUSEM SER FELIZES!!!

19 abril 2009

Divulgação

No próximo dia 24 (sexta-feira), pelas 21h30m, vou estar na Biblioteca Municipal do Peso da Régua (minha cidade natal), na apresentação do meu livro "Ventos do Sul".
Poderia ter melhor forma de festejar o meu aniversário (sim, porque faço anos neste dia, e não vos digo quantos, que a uma senhora não se pergunta a idade) que esta? Divulgar a minha escrita na terra que me viu nascer e crescer?
Estou vaidosa e orgulhosa, sem sombra de dúvida.

Biblioteca Municipal
A Autarquia, divulgou, na sua agenda cultural (que distribui aos munícipes) a apresentação do livro e também no site da Biblioteca


Mas, entretanto o meu livro, está à venda aqui. Se quiserem, podem adquiri-lo através do email do blog.

Deixo, em jeito de aperitivo, um dos poemas do livro.


“Loucura”

A casa vazia de loucura
Um olhar extraviado
Na solidão do momento
Esgotou-se a paciência
Esvaziou-se o sentimento
A tragédia do mundo
Na expectativa abstracta
A mania desordenada
De enfrentar a burocracia
A indigestão completa
Do irracional

13 abril 2009

Tempo limite!!!



Luisa estava preocupada, e o seu olhar distante não passou despercebido ao seu marido.
Afinal, 20 anos juntos, é uma vida, é um percurso longo, nem sempre fácil, nem sempre feliz. Mas, apesar disso, consideravam-se um casal realizado, com 2 filhos lindos.
Pedro, com carinho, aproxima-se de Luisa, e pergunta: - que se passa querida? Estás com um ar tão preocupado!
Ela repara, então, que, sem querer, deixou transparecer algo que não queria e, apressadamente, responde: - está tudo bem, são apenas preocupações do trabalho, nada mais.
Bom, tenho que esconder melhor o que se passa – pensou Luisa consigo mesma. E, dirige-se para a cozinha para tratar do jantar.
Nessa noite, Luisa tem um sono perturbado, agitado e as palavras do médico não lhe saem da cabeça.
- Minha senhora, lamento informá-la, mas os exames são conclusivos, tem cancro e tem pouco mais de 3 meses de vida.
Palavras fatidicas que ecoam na sua cabeça. E agora? Como dizer à familia que o tempo dela se esgotou? Tantos projectos, tantos sonhos ainda por realizar e tudo se desmorona.
Acordou alagada em suor, mas, tinha tomado uma decisão. Se eram, somente, 3 meses que lhe restavam, iria aproveitá-los ao máximo, viver nesse tempo o que lhe faltava viver e concretizar, estar com a familia, os amigos e sonhar, continuar a sonhar.
Iria contar à familia o que passava com ela e pedir-lhes que a acompanhassem nesse tempo como ela desejava e assim, seriam essas lembranças que lhes deixaria, com um sorriso de esperança e amor.
Se iria ser fácil? Nem por sombras, mas, seria isso ou deixar-se abater pela doença e pelo tempo que ainda lhe restava.
Conheci a Luisa nessa altura e, se não soubesse o que se passava com ela, diria que era a mulher mais realizada e feliz, com uma vida plena pela frente.
Foi, e será um exemplo de coragem e determinação e, só posso dizer que a atitude dela perante a vida me marcou profundamente,
Todos podemos ter 2 atitudes perante as adversidades da vida…deixarmo-nos vencer por elas e baixarmos os braços, ou…lutarmos até ao último fôlego, com um sorriso de esperança.
Afinal a vida é o que fizermos dela, com as nossas atitudes, nossas decisões, sem esquecermos que…”A Vida também se diz e faz…!!!” e está nas nossas mãos fazer com que ela seja sorridente.
Até já…e…OUSEM SER FELIZES!!! (nem que seja por um breve momento, vale sempre a pena)
Blog Widget by LinkWithin