29 abril 2004

Pessoas especiais




As pessoas especiais são aquelas que...
têm a habilidade de dividir suas vidas com os outros.
Elas são honestas na palavra e nas atitudes,
são sinceras e compassivas,
e sempre dão por certo que o amor é parte de tudo.


As pessoas especiais são aquelas que...
têm habilidades para doar aos outros,
e de ajudá-los com as mudanças que surgem em seus caminhos.
Elas não têm medo de ser vulneráveis,
e têm orgulho em ser quem são.

As pessoas especiais são aquelas que...
gostam de estar próximo aos outros
e se importam com a felicidade deles.
Elas vieram para entender que
O Amor é o Que Faz a Diferença na Vida.

(Desconheço o autor)

Almas que se encontram

Dizem que para o amor chegar não há dia, não há hora nem momento marcado para acontecer. Ele vem de repente e se instala no mais sensível dos nossos órgãos, o coração. Começo a acreditar que sim. Mas percebo também que pelo fato deste momento não ser determinado pelas pessoas, quando chega, quase sempre os sintomas são arrebatadores. Vira tudo às avessas e a bagunça feliz se faz instalada.

Quando duas almas se encontram o que realça primeiro não é a aparência física, mas a semelhança de almas. Elas se compreendem e sentem falta uma da outra. Se entristecem por não terem se encontrado antes, afinal tudo poderia ser tão diferente. No entanto sabem que o caminho é este e que não haverá retorno para as suas pretensões.

É como se elas falassem além das palavras, entendessem a tristeza do outro, a alegria, o desejo, mesmo estando em lugares diferentes. Quando almas afins se entrelaçam passam a sentir saudade uma da outra num processo contínuo de reaproximação até a consumação.

Almas que se encontram podem sofrer bastante também, pois muitas vezes tais encontros acontecem em momentos onde não mais podem extravasar toda a plenitude do amor que carregam, toda a alegria de amar e querer compartilhar a vida com o outro, toda a emoção contida à espera do encontro fatal.

Desejam coisas que se tornam quase impossíveis, mas que são tão simples de viver. Como ver o pôr-do-sol, caminhar por uma estrada com lindas árvores, ver a noite chegar, ir ao cinema e comer pipocas, rir e brincar, brigar às vezes, mas fazer as pazes com um jeitinho muito especial. Amar e amar, muitas vezes sabendo que logo depois poderão estar juntas de novo sem que a despedida se faça presente.

Porém muitas vezes elas se encontram em um tempo e em um espaço diferentes do que suas realidades possam permitir. Mas depois que se encontram ficam marcadas, tatuadas e ainda que nunca venham a caminhar para sempre juntas, elas jamais conseguirão se separar. E o mais importante: terão de se encontrar em algum lugar. Almas que se encontram jamais se sentirão sozinhas porquanto entenderão, por si só, a infinita necessidade que têm uma da outra para toda a eternidade.

(desconheço o autor)

25 abril 2004

Sobre o amor...

Numa sala de aula haviam várias crianças, quando uma delas perguntou à professora:
- Professora, o que é o amor?
A professora sentiu que a criança merecia uma resposta à altura da pergunta inteligente que fizera.
Como já estava na hora do recreio, pediu para que cada aluno desse uma volta pelo pátio da escola e que trouxesse o que mais despertasse nele o sentimento de amor.
As crianças saíram apressadas e ao voltarem a professora disse:
- Quero que cada um mostre o que trouxe consigo.
A primeira criança disse:
- Eu trouxe esta flor, não é linda?
A segunda criança falou:
- Eu trouxe esta borboleta. Veja o colorido de suas asas, vou colocá-la em minha colecção.
A terceira criança completou:
- Eu trouxe este filhote de passarinho. Ele havia caído do ninho junto com outro irmão. Não é uma gracinha?
E assim as crianças foram se colocando.
Terminada a exposição a professora notou que havia uma criança que tinha ficado quieta o tempo todo.
Ela estava vermelha de vergonha, pois nada havia trazido.
A professora se dirigiu a ela e perguntou:
- Meu bem, porque você nada trouxe?
E a criança timidamente respondeu:
- Desculpe professora. Vi a flor e senti o seu perfume, pensei em arrancá-la, mas preferi deixá-la para que seu perfume exalasse por mais tempo. Vi também a borboleta, leve, colorida! Ela parecia tão feliz que não tive coragem de aprisioná-la. Vi também o passarinho caído entre as folhas, mas ao subir na árvore notei o olhar triste de sua mãe e preferi devolvê-lo ao ninho. Portanto professora, trago comigo o perfume da flor, a sensação de liberdade da borboleta e a gratidão que senti nos olhos da mãe do passarinho. Como posso mostrar o que trouxe?
A professora agradeceu a criança e lhe deu nota máxima, pois ela fora a única que percebera que só podemos trazer o amor no coração.
Amor, carinho, luz e paz!

(Desconheço o autor)

Eternidade



Eternidade
O que eu tenho não me pertence,
Embora faça parte de mim.
Tudo o que sou me foi um dia emprestado
Pelo Criador para que eu possa dividir
Com aqueles que entram na minha vida.
Ninguém cruza nosso caminho por acaso e
Nós não entramos na vida de alguém
Sem nenhuma razão.
Há muito o que dar e o que receber;
Há muito o que aprender,
Com experiências boas ou negativas.
É isso... tente ver as coisas negativas
Que acontecem com você como algo
Que aconteceu por uma razão precisa.
E não se lamente pelo ocorrido;
Além de não servir de nada reclamar,
Isso vai te vendar os olhos para continuar
Seu caminho.
Quando não conseguimos tirar da cabeça
Que alguém nos feriu, estamos somente
Reavivando a ferida, tornando-a
Muitas vezes bem maior do que era no início.
Nem sempre as pessoas nos ferem
Voluntariamente. Muitas vezes somos
Nós que nos sentimos feridos e
A pessoa nem mesmo percebeu;
E nos sentimos decepcionados
Porque aquela pessoa não correspondeu
Às nossas expectativas.
Às nossas expectativas!!!
E sabemos lá quais eram as
Suas expectativas?
Nos decepcionamos e decepcionamos.
Mas, claro, é bem mais fácil pensar
Nas coisas que nos atingem.
Quando alguém te disser que te magoou
Sem intenção, acredite nela!
Vai te fazer bem. Assim, talvez,
Ela poderá entender quando você,
Sinceramente, disser que
"Foi sem querer".
Dê de você mesmo o quanto puder!
Sabe, quando você se for, a única coisa
Que vai deixar é a lembrança do que fez aqui.
Seja bom, tente dar sempre o primeiro passo,
Nunca negue uma ajuda ao seu alcance,
Perdoe e dê de você mesmo.
Seja uma bênção!
Deus não vem em pessoa para abençoar,
Ele usa os que estão aqui dispostos
A cumprir essa missão.
Todos nós podemos ser Anjos.
A eternidade está nas mãos de todos nós.
Viva de maneira que quando você se for,
Muito de você ainda fique naqueles que
Tiveram a boa ventura de te encontrar.

(Desconheço o autor)

22 abril 2004

Preservação ou exibição das espécies?




A primeira vez que fui ao Jardim Zoológico de Lisboa foi à cerca de 30 anos…poderá parecer muito tempo…mas muitas vezes o passar do tempo é tão relativo.
Ontem, dia 21 de Junho de 2004, levei as crianças com quem trabalho a Lisboa, mais propriamente a fazer uma visita ao Zoo. Encantadas, deliraram com a viagem, a visita ao Zoo, e quando fomos ver a Baia dos Golfinhos…aí foi o delírio completo, e confesso que até eu fiquei rendida a tal espectáculo de beleza e paciência. Completamos a visita com um passeio de teleférico, que nos permitiu ter uma panorâmica geral dos animais, espaços e dimensões do Zoo.
Nessa viagem de teleférico surgiram-me algumas reflexões sobre o que vi. As condições de habitat dos animais eram boas, bem tratados, com espaço suficiente, etc…e via-se que a dedicação de quem lá trabalha é louvável. É preciso um grande esforço para manter um espaço como aquele em perfeitas condições, e muitas vezes, com muito sacrifício. Alguns habitats precisariam de intervenção, mas no geral agradou-me a forma como o Zoo está conservado, e a todos que lá trabalham, pela sua dedicação e coragem, os meus parabéns.
Mas…porque há sempre um mas…fui um pouco mais longe nas minhas reflexões.
Preservamos as espécies mantendo-as em cativeiro? Preservamos as espécies arrancando-as aos seus habitats naturais, ao contacto com os da sua espécie? Preservamos as espécies ao exibi-las tão ostensivamente ao público? Preservamos ou exibimos?
Não digo com isto que devemos extinguir os zoológicos, que não têm a sua utilidade, mas não ficariam melhor em habitats mais naturais?
E se…e se fosse o contrário? Imaginemos por uns segundos que o mundo é governado por animais…e que nós somos metidos em zoológicos para ser preservada a raça humana e as diferentes etnias. Já imaginaram o que sentiríamos? Como nos sentiríamos?
Exibidos, desenraizados dos da nossa espécie, enjaulados, metidos em gaiolas douradas com o pretexto de sermos preservados, com o pretexto de a nossa raça estar em vias de extinção? Caricato? Talvez… possível? Claro que fica em aberto…
Reflictamos um pouco…o que estamos a fazer? Temos o direito de o fazer, só porque somos humanos, racionais e inteligentes e dominamos o mundo?
Ontem dei alegria às crianças com quem trabalho, dei-lhes a oportunidade de verem algo diferente, mas também me permitiu reflectir, deixar em aberto estas considerações que partilho convosco.
Preservamos ou exibimos? O que estamos a fazer ao reino animal?

Angelis

20 abril 2004

Enquanto houver Amizade...



Pode ser que um dia deixemos de nos falar
Mas, enquanto houver amizade faremos as pazes de novo.
Pode ser que um dia o tempo passe.
Mas, se a amizade permanecer, um do outro há de se lembrar.
Pode ser que um dia nos afastemos.
Mas, se formos amigos de verdade, a amizade nos reaproximará.
Pode ser que um dia não mais existamos.
Mas, se ainda sobrar amizade, nasceremos de novo um para o outro.
Pode ser que um dia tudo acabe.
Mas, com a amizade construiremos tudo novamente, cada vez de forma diferente, sendo único e inesquecível cada momento que juntos viveremos e nos lembraremos para sempre
Há duas formas para viver sua vida.
Uma é acreditar que não existe milagre.
A outra é acreditar, que todas as coisas são um milagre.

Albert Einstein

16 abril 2004

Porque a vida é agora

Dizem que a vida é curta, mas não é verdade.
A vida é longa para quem consegue viver pequenas felicidades.
E essa tal felicidade anda por aí, disfarçada,
como uma criança tranquila brincando de esconde - esconde.
Infelizmente às vezes não percebemos isso
e passamos nossa existência coleccionando " nãos " :

A viagem que não fizemos,

O presente que não demos,

A festa à qual não fomos,

O amor que não vivemos,

O perfume que não sentimos.

A vida é mais emocionante quando se é actor e não espectador,
quando e é piloto e não passageiro,
pássaro e não paisagem,
cavaleiro e não montaria.
E como ela é feita de instantes,
não pode e nem deve ser medida em anos ou meses,
mas em minutos e segundos.
Esta mensagem é um tributo ao tempo.
Tanto àquele que você soube aproveitar no passado
quanto àquele que você não vai desperdiçar no futuro.

Porque a vida é Agora!

(desconheço o autor)

Auto aceitação

Um rei foi a seu jardim e encontrou árvores, arbustos e flores definhando e morrendo.
O carvalho disse que estava morrendo porque não podia ser tão alto quanto o pinheiro. Voltando-se para o pinheiro, descobriu que estava murchando porque era incapaz de dar uvas como a parreira. E a parreira estava morrendo porque não podia desabrochar como a roseira. Então ele encontrou uma planta, o amor-perfeito, florida e viçosa como nunca.
Indagando, recebeu essa resposta: "Assumi que quando você me plantou, você queria um amor-perfeito. Se quisesse um carvalho, uma parreira ou uma roseira você as teria plantado.
Então pensei: "Como não posso ser outro além de mim mesmo, tentarei sê-lo da melhor maneira possível".
Você está aqui porque esta existência necessita de você tal como você é! Senão outra pessoa estaria aqui. Você está preenchendo algo muito essencial, muito fundamental, como você é.
Por que você deveria ser um Buda? Se Deus quisesse outro Buda, ele teria produzido tantos quantos quisesse. Ele produziu somente um, e foi suficiente. Desde então não produziu nenhum outro Buda ou Cristo. Em vez disso Ele o criou.
Veja só o respeito que o Universo tem por você.
Você foi escolhido - não Buda, Cristo, Krishna. O trabalho deles está feito, eles contribuíram com sua fragrância para a existência.
Agora você está aqui para contribuir com a sua. Simplesmente olhe para você mesmo. Você só pode ser você mesmo... Não há possibilidade de ser outra pessoa. Você pode apreciar isso e florescer, ou condenar isso e definhar.

(Desconheço o autor)

15 abril 2004

A chama da alma



Havia um rei que apesar de ser muito rico, tinha a fama de ser um
grande doador, desapegado de sua riqueza. De uma forma bastante estranha, quanto
mais ele doava ao seu povo, auxiliando-o, mais os cofres do seu fabuloso palácio se enchiam.
Um dia, um sábio que estava passando por muitas dificuldades, procurou o
rei. Ele queria descobrir qual era o segredo daquele monarca.
Como sábio, ele pensava e não conseguia entender como é que o rei, que não
estudava as sagradas escrituras, nem levava uma vida de penitência e
renúncia, ao contrário, vivia rodeado de luxo e riquezas, podia não se
contaminar com tantas coisas materiais.
Afinal, ele, como sábio, havia renunciado a todos os bens da terra, vivia
meditando e estudando e, contudo, se reconhecia com muitas dificuldades
na alma. Sentia-se em tormenta. E o rei era virtuoso e amado por todos.
Ao chegar em frente ao rei, perguntou-lhe qual era o segredo de viver
daquela forma, e ele lhe respondeu: "Acenda uma lamparina e passe por
todas as dependências do palácio e você descobrirá qual é o meu segredo."
Porém, há uma condição: se você deixar que a chama da lamparina se
apague, cairá morto no mesmo instante.
O sábio pegou uma lamparina, acendeu e começou a visitar todas as salas
do palácio. Duas horas depois voltou à presença do rei, que lhe perguntou:
"Você conseguiu ver todas as minhas riquezas?"
O sábio, que ainda estava tremendo da experiência porque temia perder a
vida, se a chama apagasse, respondeu: "Majestade, eu não vi
absolutamente nada. Estava tão preocupado em manter acesa a chama da lamparina que só fui passando pelas salas, e não notei nada."
Com o olhar cheio de misericórdia, o rei contou o seu segredo: "Pois é assim
que eu vivo. Tenho toda minha atenção voltada para manter acesa a chama
da minha alma que, embora tenha tantas riquezas, elas não me afetam."
"Tenho a consciência de que sou eu que preciso iluminar meu mundo com
minha presença e não o contrário."

O sábio representa na história as pessoas insatisfeitas, aquelas que
dizem que nada lhes sai bem. Vivem irritadas e afirmam ter raiva da vida.
O rei representa as criaturas tranqüilas, ajustadas, confiantes.
Criaturas que são candidatas ao triunfo nas atividades que se dedicam. São sempre
agradáveis, sociáveis e estimuladoras.
Quando se tornam líderes, são criativas, dignas e enriquecedoras.
Deste último grupo saem os que promovem o desenvolvimento da sociedade,
os gênios criadores e os grandes cultivadores da verdade.

***
Com ligeiras variações, é o lar que responde pela felicidade ou a
desgraça da criatura. É o lar que gera pessoas de bem ou os candidatos à
perturbação.
É na infância que o espírito encarnado define a sua escala de valores
que lhe orientará a vida.
Por tudo isto, o carinho, na infância, o amor e a ternura, ao lado do
respeito que merece a criança, são fundamentais para a formação de
homens saudáveis, ricos de beleza, de bondade, de amor que influenciam
positivamente a sociedade onde vivem.
Em nossas mãos, na condição de pais, repousa a grande decisão: como
desejamos que sejam os nossos filhos tranqüilos como o rei ou
atormentados como o sábio.


" Vive de forma a que o teu maior desejo seja viver outra vez - esse é o teu dever - pois, quer queiras quer não , viverás novamente ! "

Autor Desconhecido

13 abril 2004

O Vento




O vento é um cavalo
Ouça como ele corre, pelo mar, pelo céu.
Quer levar-me.
Escuta como percorre o mundo para me levar bem longe.
Esconde-me em teus braços por esta noite só, enquanto a chuva abre contra o mar e a terra suas incontáveis bocas.
Escuta como o vento me chama galopando para me levar bem longe.
Com teu peito em meu peito,
com tua boca em minha boca,
nossos corpos atados ao amor que nos queima.
Deixa que o vento passe sem que possa levar-me.
Deixa que o vento corra, coroado de espuma, que me chame e me busque, galopando nas sombras enquanto eu, submerso,
debaixo de teus grandes olhos, por esta noite só,
descansarei meu amor.

(Pablo Neruda)

Todo dia é menos um dia

Todo dia é menos um dia;
menos um dia para ser feliz;
é menos um dia para dar e receber;
é menos um dia para amar e ser amado;
é menos um dia para ouvir e, principalmente, calar!

Sim, porque calando nem sempre quer dizer
que concordamos com o que ouvimos ou lemos,
mas estamos dando a outrem a chance de pensar,
reflectir, saber o que falou ou escreveu.

Saber ouvir é um raro dom, reconheçamos.
Mas saber calar, mais raro ainda.
E como humanos estamos sujeitos a errar.
E nosso erro mais primário, é não saber
Ouvir e calar!

Todo dia é menos um dia para dar um sorriso,
Muitas vezes alguém precisa, apenas de um sorriso
para sentir um pouco de felicidade!

Todo dia é menos um dia para dizer:
- Desculpe, eu errei!
Para dizer:
- Perdoe-me por favor, fui injusto!

Todo dia é menos um dia;
Para voltarmos sobre os nossos passos.
De repente descobrimos que estamos muito longe
E já não há mais como encontrar
onde pisamos quando íamos.
Já não conseguiremos distinguir nossos passos
de tantos outros que vieram depois dos nossos.

E se esse dia chega, por mais que voltemos;
estaremos seguindo um caminho, que jamais
nos trará ao ponto de partida.

Por isso use cada dia com sabedoria.
Ouça e cale se não se sentir bem;
Leia e deixe de lado, outra hora você vai conseguir
interpretar melhor e saber o que quis ser dito.

Carlos Drumonnd de Andrade

Bolero




Segure minha mão com firmeza,
mas com carinho.
Olhe nos meus olhos bem fundo
enquanto eu te olho
no fundo dos seus olhos.
Enxergue minha alma
enquanto traduzo seus sonhos
e deixe que a gente flutue
bem juntos em uma só energia.

Vamos dançar juntos
como se voássemos
em uma nuvem exclusiva toda nossa.
E enquanto dançamos,
eu te beijo
e você me beija
e a essa altura
já não sou eu, nem você

Somos nós dois, em um apenas.
Dois seres, dois corpos,
um sentimento,
uma dança,
uma alma única.

Carlos Drummond de Andrade

12 abril 2004

Portas



Se você abre uma porta, você pode ou não entrar
em uma nova sala.
Você pode não entrar e ficar observando a vida.
Mas se você vence a dúvida, o temor, e entra,
dá um grande passo: nesta sala vive-se!
Mas, também, tem um preço...

São inúmeras outras portas que você descobre.
Às vezes curte-se mil e uma.
O grande segredo é saber quando e qual porta
deve ser aberta.
A vida não é rigorosa, ela propicia erros e acertos.
Os erros podem ser transformados em acertos
quando com eles se aprende.

Não existe a segurança do acerto eterno.
A vida é generosa, a cada sala que se vive,
descobre-se tantas outras portas.
E a vida enriquece quem se arrisca
a abrir novas portas.
Ela privilegia quem descobre seus segredos
e generosamente oferece afortunadas portas.

Mas a vida também pode ser dura e severa.
Se você não ultrapassar a porta,
terá sempre a mesma porta pela frente.
É a repetição perante a criação, é a monotonia
monocromática perante a multiplicidade das cores,
é a estagnação da vida...

Para a vida, as portas não são obstáculos,
mas diferentes passagens!"

Içami Tiba
Do Livro: Amor, Felicidade & Cia.

Mundo grande

Não, meu coração não é maior que o mundo.
É muito menor.
Nele não cabem nem as minhas dores.
Por isso gosto tanto de me contar.
Por isso me dispo,
por isso me grito,
por isso frequento os jornais, me exponho
cruamente nas livrarias: preciso de todos.

Sim, meu coração é muito pequeno.
Só agora vejo que nele não cabem os homens.
Os homens estão cá fora, estão na rua.
A rua é enorme. Maior, muito maior do que eu esperava.
Mas também a rua não cabe todos os homens.
A rua é menor que o mundo.
O mundo é grande.

Tu sabes como é grande o mundo.
Conheces os navios que levam petróleo e livros,
carne e algodão.
Viste as diferentes cores dos homens,
as diferentes dores dos homens,
sabes como é difícil sofrer tudo isso, amontoar tudo isso
num só peito de homem...sem que ele estale.

Fecha os olhos e esquece.
Escuta a água nos vidros,
tão calma. Não anuncia nada.
Entretanto escorre nas mãos,
tão calma! Vai inundando tudo...

Renascerão as cidades submersas?
Os homens submersos voltarão?
Meu coração não sabe.
Estúpido, ridículo e frágil é meu coração.
Só agora descubro
como é triste ignorar certas coisas.
(Na solidão de indivíduo
desaprendi a linguagem
com que homens se comunicam).

Outrora escutei os anjos,
as sonatas, os poemas, as confissões patéticas.
Nunca escutei voz de gente.
Em verdade sou muito pobre.

Outrora viajei
países imaginários, fáceis de habitar,
ilhas sem problemas, não obstante
exaustivas e convocando ao suicídio.

Meus amigos foram às ilhas.
Ilhas perdem o homem.
Entretanto alguns se salvaram e
trouxeram a notícia
que o mundo, o grande mundo está
crescendo todos os dias,
entre o fogo e o amor.

Então, meu coração também pode crescer.
Entre o amor e o fogo,
entre a vida e o fogo,
meu coração cresce dez metros e explode.
-ó, vida futura! Nós te criaremos


Carlos Drummond de Andrade

09 abril 2004

Mulheres maravilhosas!!!



No princípio eu era a Eva
Nascida para a felicidade de Adão
E meu paraíso tornou-se trevas
Porque ousei libertação.
Mais tarde fui Maria
Meu pecado redimiria
Dando à luz aquele que traria a salvação
Mas isso não bastaria
Para eu encontrar perdão.
Passei a ser Amélia
A mulher de verdade
Para a sociedade
Não tinha a menor vaidade
Mas sonhava com a igualdade.
Muito tempo depois decidi:
Não dá mais!
Quero minha dignidade
Tenho meus ideais!
Hoje não sou só esposa ou filha
Sou pai, mãe, arrimo de família
Sou camionista, taxista, piloto de avião
Policial feminina, operária em construção.
Ao mundo peço licença
Para actuar onde quiser
Meu sobrenome é Competência

O meu nome é Mulher!!!!


(desconheço o autor)

Palavras para um grande amor



Se o amor for grande,
A espera não será eterna,
Os problemas não serão dilemas,
E a distância será vencida.

Se a compreensão insistir,
As brigas fortalecer-nos-ão,
Os factos far-nos-ão rir,
E os diálogos marcar-nos-ão.

Se o respeito prevalecer,
Os carinhos serão doces e suaves,
Os beijos profundos e cheios de valor,
E os abraços calorosos e confortantes.

Se a confiança existir,
A dúvida se extinguirá,
As perguntas serão respondidas,
E as palavras poderão ser ditas.

Talvez não seja um amor eterno.
E não é um amor doentio,
Nem um amor ideal.
Mas um amor verdadeiro.

Aquele que vence as barreiras
Impostas pela vida e pelas ocasiões.
Aquele que não teme a escolha,
E faz a opção de simplesmente
Ser intensamente vivido.

(Myrian Sartori)

Fácil é...




Falar é completamente fácil quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.
Difícil é expressar por atitudes e gestos o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá.

Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias.
Difícil é encontrar e refletir sobre os seus erros, ou tentar fazer diferente algo que já se fez muito errado.

Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir.
Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso.
E com confiança no que diz.

Fácil e analisar sobre a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação.
Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer ou ter coragem para fazer.

Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado.
Difícil é expressar seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende.
É assim que perdemos pessoas especiais.

Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
Difícil é mentir para o nosso coração.

Fácil é ver o que queremos enxergar.
Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto.
Admitir que nos deixamos livres, mais uma vez, isso é difícil.

Fácil é dizer "oi" ou "como vai".
Difícil é dizer "Adeus".
Principalmente quando somos culpados pela partida de alguém em nossas vidas...

Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.
Difícil é sentir a energia que é transmitida.
Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa.

Fácil é querer ser amado.
Difícil é amar completamente só.
Amar de verdade, sem ter medo de viver, ter medo do depois.
Amar e se entregar.
E aprender a dar valor somente a quem te ama.

Fácil é ouvir a música que toca.
Difícil é ouvir a sua consciência. Acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas.

Fácil é ditar regras.
Difícil é segui-las. Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.

Fácil é perguntar o que deseja saber.
Difícil é estar preparado para escutar a resposta.

Fácil é chorar ou sorrir quando da vontade.
Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.

Fácil é dar um beijo.
Difícil é entregar a alma.
Sinceramente, por inteiro.

Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.
Difícil é entender que somente uma vai te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.

Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica.
Difícil é ocupar o coração de alguém.
Saber que se é realmente amado.

Fácil é sonhar todas as noites.
Difícil é lutar por um sonho.

Eterno, é tudo aquilo que dura uma fracção de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata.

Carlos Drummond de Andrade

Decifra-me

Não venha me falar de razão,
Não me cobre lógica,
Não me peça coerência,
Eu sou pura emoção,
Tenho razões e motivações próprias,
Sou movido por paixão,
Essa é minha religião e minha ciência.
Não meça meus sentimentos,
Nem tente compará-los a nada,
Deles sei eu,
Eu e meus fantasmas,
Eu e meus medos,
Eu e minha alma.
Sua incerteza me fere,
Mas não me mata.
Suas dúvidas me açoitam,
Mas não deixam cicatrizes.
Não me fale de nuvens,
Eu sou Sol e Lua,
Não conte as poças,
Eu sou mar,
Profundo, intenso, passional.
Não exija prazos e datas,
Eu sou eterno e atemporal.
Não imponha condições,
Eu sou absolutamente incondicional.
Não espere explicações,
Não as tenho, apenas aconteço,
Sem hora, local ou ordem.
Vivo em cada molécula,
Sou o todo e sou uno,
Você não me vê,
Mas me sente,
Estou tanto na sua solidão,
Quanto no meu sorriso.
Vive-se por mim,
Morre-se por mim,
Sobrevive-se sem mim,
Eu sou começo e fim,
E todo o meio.
Sou seu objectivo,
Sua razão que a razão
Ignora e desconhece,
Tenho milhões de definições,
Todas certas,
Todas imperfeitas,
Todas lógicas apenas
Em motivações pessoais,
Todas corretas,
Todas erradas,
Sou tudo,
Sem mim, tudo é nada.
Sou amanhecer,
Sou Fênix,
Renasço das cinzas,
Sei quando tenho que morrer,
Sei que sempre irei renascer,
Mudo protagonista,
Nunca a história.
Mudo de cenário,
Mas não de roteiro.
Sou música,
Ecôo, reverbero, sacudo.
Sou fogo,
Queimo, destruo, incinero.
Sou água,
Afogo, inundo, invado.
Sou tempo,
Sem medidas, sem marcações.
Sou clima,
Proporcional a minha fase.
Sou vento,
Arrasto, balanço, carrego.
Sou furacão,
Destruo, devasto, arraso.
Mas sou tijolo,
Construo, recomeço...
Sou cada estação,
No seu apogeu e glória.
Sou seu problema
E sua solução.
Sou seu veneno
E seu antídoto
Sou sua memória
E seu esquecimento.
Eu sou seu reino, seu altar
E seu trono.
Sou sua prisão,
Sou seu abandono e
Sou sua liberdade.
Sua luz,
Sua escuridão
E seu desejo de ambas,
Velo seu sono...
Poderia continuar me descrevendo
Mas já te dei uma idéia do que sou,
Muito prazer, tenho vários nomes,
Mas aqui, na sua terra,
Chamam-me de AMOR.

Autor desconhecido

08 abril 2004

As palavras sempre ficam




" Se me disseres que me amas, acreditarei, mas se escreveres que me amas, acreditarei ainda mais.

Se me falares da tua saudade, entenderei, mas se escreveres sobre ela, eu a sentirei junto contigo.

Se a tristeza vier a te consumir e me contares, eu saberei, mas se a descreveres no papel, o seu peso será menor "

... e assim são as palavras escritas:
possuem um magnetismo especial, libertam, acalentam, invocam emoções.

Elas possuem a capacidade de, em poucos minutos, cruzar mares, saltar montanhas, atravessar desertos intocáveis.

Muitas vezes, infelizmente, perde-se o Autor, mas, a mensagem sobrevive ao tempo,
atravessando séculos e gerações.

Elas marcam um momento que será eternamente revivido, por todos aqueles que a lerem.

Viva o amor com palavras faladas e escritas, mate saudades, peça perdão,
aproxime-se, recupere o tempo perdido, insinue-se, alegre alguém, ofereça um simples " bom dia ", faça um carinho especial.

Use a palavra a todo instante, de todas as maneiras.
Sua força é imensurável.

Lembre-se, sempre, do poder das palavras.

"Quem escreve, constrói um castelo, e quem lê, passa a habitá-lo."


Silvana Duboc

06 abril 2004

Viver não dói




Definitivo, como tudo o que é simples. Nossa dor não advém das
coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.

Por que sofremos tanto por amor?

O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos
conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável, um tempo feliz. Sofremos porquê?
Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a
sofrer pelas nossas projecções irrealizadas, por todas as cidades que
gostaríamos de ter conhecido ao lado do nosso amor e não conhecemos ,por todos os filhos que gostaríamos de ter tido junto e não tivemos, por
todos os shows e livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos.
Por todos os beijos cancelados, pela eternidade. Sofremos não
porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um amigo, para nadar, para namorar.
Sofremos não porque nossa mãe é impaciente connosco, mas por todos
os momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas
mais profundas angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.
Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada.
Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está
sendo confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos
aconteçam, todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a
experimentar.

Como aliviar a dor do que não foi vivido?

A resposta é simples como um verso: Se iludindo menos e vivendo mais!!!

A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos
também a felicidade.

A dor é inevitável. O sofrimento é opcional.

Carlos Drummond de Andrade

A arte de ser feliz...



Acorde todas as manhã com um sorriso.
Esta é mais uma oportunidade que você tem para ser feliz.
Seja seu próprio motor de ignição. O dia de hoje jamais
voltará. Não o desperdice, pois você nasceu para ser feliz!
Enumere as boas coisas que você tem na vida. Ao tomar consciência do seu
valor, você será capaz de ir em frente com muita força, coragem e confiança!
Trace objectivos para cada dia. Você conquistará seu arco-íris, um dia de
cada vez. Seja paciente.
Não se queixe do seu trabalho, do tédio, da rotina, pois é o seu trabalho
que o mantém alerta, em constante desenvolvimento pessoal e profissional,
além disso o ajuda a manter a dignidade.
Acredite, seu valor está em você mesmo. Não se deixe vencer, não seja igual,
seja diferente. Se nos deixarmos vencer, não haverá surpresas, nem alegrias…
Tome consciência que a verdadeira felicidade está dentro de você.
A felicidade não é ter ou alcançar, mas sim dar.
Estenda sua mão.
Compartilhe.
Sorria.
Abrace.
A felicidade é um perfume que você não pode passar nos
outros sem que o cheiro fique um pouco em suas mãos.
O importante de você ter uma atitude positiva diante da vida, ter o desejo
de mostrar o que tem de melhor, é que isso produz maravilhosos efeitos
colaterais. Não só cria um espaço feliz para o que estão ao seu redor, como
também encoraja outras pessoas a serem mais positivas.
O tempo para ser feliz é agora.
O lugar para ser feliz é aqui!

(desconheço o autor)

04 abril 2004

É complicado dividir uma vida...

A gente tem anseios, receios, bloqueios.
A gente fala muito e às vezes cala também.
A gente dá muita importância a pequenas coisas e
deixa passar grandes factos.

Há gostos e desgostos.
Sorrisos... Vontade de flutuar, gargalhar até
onde a boca esticar, até onde houver graça, ouvir a
risada entoar um canto de alegria... De noite ou de
dia, é bom ter alguém que sorria!

Nos relacionamentos modernos existe uma falta de
encaixe, uma pequena peça que se perdeu e que é tão
difícil encontrar. Incompatibilidades existem e acabam
destruindo, obscurecendo um lado incandescente da vida.

De um lado impera o desejo de ir certo, guiado
pela sensibilidade ou pela compreensão. Do outro, pode
não haver retorno ou simplesmente não existir nada
para se ofertar.

Não é fácil cuidar de dois corações... A
responsabilidade é tamanha, que devemos ter a certeza
que o que queremos é velar o sono de uma inquieta
criança, que no decorrer do tempo sente fome e acorda
pra tantas coisas simples da vida. (Con)viver junto do
amor, requer paciência e principalmente, tolerância.

Se dos dois lados existir maturidade, sem deixar
de lado uma boa novidade - que "tempera" a relação -
tudo pode vir a ser melhor.

O equilíbrio desses factores independe da idade,
mas a corda bamba é justamente o raciocínio, a
sensatez e a noção certa de onde se quer chegar.

Se um dia as duas partes resolverem seguir
caminhos solitários, não ficará na boca aquele gosto
amargo de derrota, mas no coração um certo alívio por
saber que tudo foi feito pelo "final feliz".

Se não deu certo, paciência!

(desconheço o autor)

Indiferença



Percorrendo algumas das ruas da cidade, embora não encontrasse nada de particular que me despertasse especial atenção, notei, apesar disso, a pressa de cada um em chegar ao seu destino.
Cada pessoa levava no rosto os traços da sua personalidade e do seu dia a dia citadino.
Mas, de repente, indo distraída a observar os meus semelhantes, deparei com um pobre velho, sentado á soleira de uma porta, pobre farrapo humano, estendendo a mão á caridade.
Para meu pesar, reparei que essa mesma caridade lhe virava as costas, como se fosse um verme nojento. Só um pobre cão, a quem os inteligentes chamam irracional, se quedou ao pé do homem e lhe lambeu amigavelmente as mãos sujas e deformadas pelos longos anos de trabalho.
Tornei a olhar para o velho e reparei, que embora, aparentemente, não chorasse, chorava.
Em poucos segundos compreendi quão endurecida está a alma humana. Mas o mais revoltante é que as pessoas que pregam a caridade, essa não passa de simples palavra lançada ao vento, porque das palavras aos actos vai um grande abismo e as pessoas têm medo de o ultrapassar e ficam-se resignadas como se nada de útil e bom se pudesse fazer.
É o simples comodismo das sociedades modernas e das mentalidades ou demasiado atrasadas ou demasiado evoluidas.
Lá diz o ditado “ no meio é que está a virtude”, mas hoje, não há meios termos, ou se faz ou se não faz.
Mas, normalmente, opta-se por nada se fazer, esperando que as coisas aconteçam simplesmente, sentados comodamente nas nossas poltronas.
Talvez já não devesse existir a miséria e a pobreza, não ponho isso em questão, mas a verdade é que hoje, apesar de haver uma total renovação a todos os níveis da nossa sociedade, há ainda miséria e continuará a haver cada vez mais.
Ponho uma questão: se já não deveria existir pobreza, na opinião de muitos, e se ainda existe, que se deve fazer? Dar-lhe um pontapé? Virar-lhe as costas e passarmos por ela com ares de seres superiormente inteligentes?
Acho que não. Este, como tantos outros problemas não podem deixar-se passar de ânimo leve e as pessoas têm de começar a tomar consciência do seu dever e da posição e responsabilidade que cada um tem nesta sociedade em que todos nós estamos inseridos e a quem temos , infelizmente, de prestar contas dos nossos actos.

03 abril 2004

Ser poeta




Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente...
E seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

Florbela Espanca

Correr riscos...



Rir é correr o risco de parecer tolo .
Chorar é correr o risco de parecer sentimental.
Estender a mão é correr o risco de se envolver.
Expor seus sentimentos é correr o risco de mostrar seu verdadeiro eu.
Defender seus sonhos e ideias diante da multidão é correr o risco de perder as pessoas
Amar é correr o risco de não ser correspondido.
Viver é correr o risco de morrer.
Confiar é correr o risco de se decepcionar.
Tentar é correr o risco de fracassar.
Mas devemos correr os riscos, porque o maior perigo é não arriscar nada.
Há pessoas que não correm nenhum risco, não fazem nada, não têm nada e não são nada.
Elas podem até evitar sofrimentos e desilusões, mas não conseguem nada, não sentem nada, não mudam, não crescem, não amam, não vivem .
Acorrentadas por suas atitudes, elas viram escravas, privam-se de sua liberdade.
Somente a pessoa que corre riscos é livre !

By Seneca ( orador romano que viveu entre 55aC e 39dC )

Cada um que passa...

Cada um que passa em nossa vida passa sozinho...
Porque cada pessoa é única para nós,
e nenhuma substitui a outra.
Cada um que passa em nossa vida passa sozinho,
mas não vai só...
Levam um pouco de nós mesmos
e nos deixam um pouco de si mesmos.
Há os que levam muito,
mas não há os que não levam nada.
Há os que deixam muito,
mas não há os que não deixam nada.
Esta é a mais bela realidade da vida...
A prova tremenda de que cada um é importante
e que ninguém se aproxima do outro por acaso...

Saint Exupery

02 abril 2004

EU HOJE JOGUEI TANTA COISA FORA....



(Carlos Drummond Andrade)

Não importa onde você parou...
em que momento da vida
você cansou...
o que importa
é que sempre é possível
e necessário"recomeçar".

Recomeçar é dar
uma nova chance a si mesmo...
é renovar as esperanças
na vida e o mais importante...
acreditar em você de novo.

Sofreu muito nesse período?
foi aprendizado...

Chorou muito?
foi limpeza da alma...

Ficou com raiva das pessoas?
foi para perdoá-las um dia...

Sentiu-se só por diversas vezes?
é por que fechaste
a porta até para os anjos...

Acreditou
que tudo estava perdido?
era o indício da tua melhora...

Pois ...
agora é hora de reiniciar...
de pensar na luz...
de encontrar prazer
nas coisas simples de novo.

Que tal um novo emprego?
Uma nova profissão?
Um corte de cabelo
arrojado... diferente?
Um novo curso...
ou aquele velho desejo
de aprender a pintar...
desenhar...
dominar o computador...
qualquer
outra coisa...

Olha quanto desafio...
quanta coisa nova
nesse mundo de meu Deus
te esperando.

Está se sentindo sozinho?
besteira...
tem tanta gente
que você afastou
com o seu período de isolamento...
tem tanta gente esperando
apenas um sorriso teu
para "chegar" perto de você.

Quando nos trancamos
na tristeza...
nem nós mesmos nos suportamos...
ficamos horríveis...
o mal humor
vai comendo nosso fígado...
até a boca fica amarga.

Recomeçar...
hoje é um bom dia
para começar
novos desafios.

Onde você quer chegar?
ir alto...
sonhe alto...
queira o melhor do melhor...
queira coisas boas para a vida...
pensando assim trazemos
prá nós aquilo que desejamos...
se pensamos pequeno...
coisas pequenas teremos...
se desejarmos fortemente
o melhor e principalmente
lutarmos pelo melhor...
o melhor vai se instalar
na nossa vida.

É hoje o dia da faxina mental...
joga fora tudo
que te prende ao passado...
ao mundinho de coisas tristes...
fotos...
peças de roupa...
papel de bala...
ingressos de cinema...
bilhetes de viagens...
e toda aquela tranqueira
que guardamos
quando nos julgamos apaixonados...

jogue tudo fora...
mas principalmente...
esvazie seu coração...
fique pronto para a vida...
para um novo amor...

Lembre-se somos apaixonáveis...
somos sempre capazes
de amar muitas
e muitas vezes...
afinal de contas...
Nós somos o "Amor"...
Blog Widget by LinkWithin