30 novembro 2005

Desafio!!!

Será porque cheira já a Natal? Será porque no jardim de infância onde trabalho, se fazem os primeiros trabalhinhos alusivos ao Natal? Será porque, de repente, me lembrei do Natal, ou melhor, dos Natais da minha infância?
Não interessa o motivo…lembrei-me e pronto!!!
Mas, lembrei-me do quê?
Simples…lembrei-me da minha infância, e da carta que costumava escrever ao Pai Natal, por esta altura, a pedir o brinquedo que desejava receber no sapatinho.
Dizia ao Pai Natal que era uma menina bem comportada, não arreliava os meus pais, não fazia asneiras, e depois, inocentemente, no final da carta, pedia o meu brinquedo.
Lembram-se dos vossos Natais? Escreviam ao Pai Natal?
Confessem…não custa nada!!!
Mas, o título deste artigo é “Desafio!!!” certo? Mas que desafio?
Muito simples…convido-vos (se tiverem coragem) a escreverem uma carta ao Pai Natal, tal e qual como faziam na vossa infância, aceitam? Têm coragem para?
Enviem as vossas cartas para o meu email…e elas serão todas publicadas aqui…e no final…haverá uma carta vencedora e um prémio…sem sombra de dúvida.
Porque este desafio? Um despertar de vivências da infância, um reviver da criança que ainda somos e que nos esquecemos no dia a dia.
Um voltar á inocência, á ilusão, aos sentimentos puros e sinceros da criança…que se procurarmos bem lá no fundo da nossa alma…nos iremos surpreender com o que iremos encontrar…
Vá lá…não custa nada…puxem do papel…perdão…do teclado…e escrevam, escrevam como se tivessem, por uns momentos, 5, 6 ou 10, ou mais anos, escrevam como se ainda acreditassem…pois vale a pena acreditar na magia da inocência, na magia dos sentimentos de solidariedade, fraternidade, amor e respeito.
Despertem a criança que vive em vós…e mãos á obra.
Aceito todos os emails que chegarem até dia 08 de Dezembro…e irei publicando todas as cartas que forem chegando. Podem usar os vossos nomes ou nicks ou pseudónimos.
Vamos lá a puxar pela imaginação e escrever…quem sabe, o Pai Natal vos surpreende neste Natal? Já pensaram nisso?

angelis

21 novembro 2005

Não sei se isto é amor

Não sei se isto é amor. Procuro o teu olhar,
Se alguma dor me fere, em busca de um abrigo;
E apesar disso, crê? Nunca pensei num lar
Onde fosse feliz, e eu feliz contigo.

Por ti nunca chorei nenhum ideal desfeito.
E nunca te escrevi nenhuns versos românticos.
Nem depois de acordar te procurei no leito
Como a esposa sensual do Cântico dos Cânticos.

Se é amar-te, não sei. Não sei se te idealizo
A tua cor sadia, o teu sorriso terno…
Mas sinto-me sorrir de ver esse sorriso
Que me penetra bem, com este sol de Inverno.

Passo contigo a tarde e sempre sem receio
Da luz crepuscular, que enerva, que provoca.
Eu não demoro o olhar na curva do teu seio
Nem me lembrei jamais de te beijar na boca.

Eu não sei se é amor. Será talvez começo…
Eu não sei que mudança a minha alma pressente…
Amor não sei se o é, mas sei que te estremeço,
Que adoecia talvez de te saber doente.


Camilo Pessanha
(do meu Maço Poético/Poemas de Amor)

18 novembro 2005

Ainda bem...




Vou seguir o exemplo do Garfield...óculos de sol...e vou "curtir" o fim de semana.
Vou deliciar-me a ver o DVD dos U2 (U2 05 Vertigo Live from Chicago), pois é uma banda que adoro ver e ouvir.
Vou continuar a minha leitura..."Equador" de Miguel Sousa Tavares.
Vou preguiçar...dormir...relaxar.
Afinal é sexta feira...fim de semana...yessssss...
Mas não vou esquecer-me de sorrir, e continuar a ousar ser Feliz...
E. vocês? Como vão passar o vosso fim de semana?
O que estão a ler?
O que gostam de ouvir?
Cusca? Eu? No way...

Beijinhos...e aproveitem...tal como diz um querido amigo...vivam um dia de cada vez...a vida vale a pena.

angelis

17 novembro 2005

Descoberta...

Hoje, Dia do Não Fumador, encontrei numa gaveta, um maço muito interessante…um maço poético.
Não fazem a menor ideia do que possa ser, certo?
Eu explico…há uns tempos atrás (provavelmente, alguns anos) a Livraria Bertrand, tinha à venda, uns maços (não de tabaco, como é óbvio), mas maços literários, desde os Maços Poéticos, até Maços com as mais diversas mensagens, da Editora Ausência (pelo menos o que eu tenho, o Maço Poético é)
Idênticos, na sua forma, aos maços de tabaco, eram o apelo á leitura, e a mim, dava um certo gozo, sempre que via alguém pegar no seu maço de cigarros, eu puxar pelo meu maço poético, sacar um “cigarro” e ler um poema.
Vicio que não prejudicava, não poluía, e não fazia mal á saúde…
Dentro destes maços literários, existiam os “cigarros”, pequenos tubos de plástico e dentro deles, enrolados, os poemas.
Hoje, coincidência ou não, Dia do Não Fumador, aqui deixo o testemunho (sem fundamentalismos, falsos moralismos, ou outra treta qualquer) de uma não fumadora, que nunca se deixou manipular e controlar pelo tabaco…mas que transporta na sua bolsa o maço poético.
Desculpem a qualidade da imagem…mas…foi o que se conseguiu…e deixo-vos um poema (cigarro, tirado ao acaso do meu maço de poemas de amor) e a citação que tem na capa: “Ama a Vida, o próximo e a liberdade de escolha!”


Amor é fogo que arde sem se ver,
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente,
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que um bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É um cuidar que ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrario a si é o mesmo Amor?

Luís de Camões

12 novembro 2005

Publicidade…aqui NÃO…OBRIGADA

Já pararam para pensar na falta de respeito que caminha por aqui?
Se pensaram, não se devem ter admirado…pois o que mais encontramos, nos dias de hoje, é falta de respeito pelo próximo e mais grave…falta de respeito por si mesmo.
Porque haveria de ser diferente aqui, nesta estrada virtual, em que nos escondemos atrás de um nickname, de um endereço de email falso…e fiquemos por aqui.
Mas, há uma coisa que me aborrece imenso…e que deve aborrecer a todos os que têm blogs, e cujos conteúdos desses mesmos blogs, são sérios, podem ser brincalhões, mas não necessitam de rodinha vermelha (risos), não são ofensivos, e sabem respeitar e estar nesta estrada…é a publicidade…seja ela qual for.
Ninguém é “obrigado” a comentar um post, quando visita um blog, certo? Mas também, o dono/autor do blog, não é “obrigado” a ler, a ter despejado, nos seus comentários a dita publicidade.
Há quem visite blogs, para publicitar o seu próprio blog…nem comento a atitude.
Há quem visite blogs (e aconteceu-me isso ontem) para deixar publicidade ao seu site de vendas…comentar esta atitude? Nem pensar!!!
O que faço?
Muito simples…apago o comentário e bloqueio o endereço de IP.
HAJA RESPEITO…
HAJA DIGNIDADE…
Estou irritada…grrrrrrrr…
Por isso…o que vai acontecer neste blog é simples…apago qualquer tipo de publicidade, seja de que tipo for…e bloquearei os respectivos endereços de IP.
E isto, também é e será válido para comentários menos dignos ou ofensivos, como já vi em alguns blogs…nos quais, não se limitaram, somente, a comentar (e que comentários ridículos), mas ofenderam todos os que tinham comentado.

Gostem ou não…o blog é meu e o RESPEITO é muito bonito e eu gosto.

angelis

05 novembro 2005

Poemas de amor

ESTE INFERNO DE AMAR


Este inferno de amar – como eu amo!
Quem mo pôs aqui n’alma…quem foi?
Esta chama que atenta e consome,
Que é a vida – e que a vida destrói –
Como é que se veio a atear,
Quando – ai quando se há-de ela apagar?

Eu não sei, não me lembra: o passado,
A outra vida que dantes vivi
Era um sonho talvez… – foi um sonho –
Em que paz tão serena a dormi!
Oh! Que doce era aquele sonhar…
Quem me veio, ai de mim! Despertar?

Só me lembra que um dia formoso
Eu passei…dava o Sol tanta luz!
E os meus olhos, que vagos giravam,
Em seus olhos ardentes os pus.
Que fez ela? eu que fiz? – Não no sei;
Mas nessa hora a viver comecei…


Almeida Garrett

01 novembro 2005

O Sexo depois da Menopausa

Há imensas formas de falar, abordar o sexo. Podemos faze-lo como o Ailaife, de forma simples, directa e inteligente.

Podemos falar de sexo de forma jocosa, abusiva e até ofensiva. Ou podemos abordá-lo de forma informativa e esclarecedora.

Qual delas é a melhor, a mais correcta? Cada um responda por si, pela forma como vê, vive e sente o sexo.

Com a publicação deste artigo, pretendo, essencialmente, informar, mas também abordar um tema, que ainda hoje, é tabu, pouco falado, pouco esclarecido e que afecta todos os que atingem a menopausa, ou melhor, todas as mulheres que entraram ou vão entrar na menopausa.

Muito mais, haveria a dizer, a esclarecer. Mas deixo aqui um conselho a todas as mulheres que entraram na menopausa e àquelas que irão entrar:”Procurem o vosso médico de família, o vosso/a ginecologista, falem abertamente com eles, questionem, peçam esclarecimentos. Falem das vossas dúvidas. O médico é para isso mesmo, para ajudar e esclarecer. Mas não se esqueçam de partilhar dúvidas, receios, angustias com o vosso companheiro, pois também ele sentirá dúvidas, anseios, receios e se não falarem com ele como poderão viver a vossa sexualidade em pleno, pese embora o facto de sofrerem alterações?"




O Prazer na Idade Madura

A nossa sociedade, orientada para os ideais da juventude e para estereótipos de beleza feminina para vender de tudo um pouco, desde carros a sabonetes, não é muito favorável à imagem de mulheres menos jovens.

E na verdade, poucos são os que gostam de imaginar a sua mãe ou mesmo a avó em cenas de sexo...

No entanto, "off the record" muitas são as mulheres que, depois do risco da gravidez as preocupar, entram numa nova fase nas suas vidas, descobrindo uma nova fase de sexualidade.

De acordo com o testemunho à ABCNEWS.com do ginecologista americano James Simon, a partir dos 30 anos, os níveis hormonais começam a transformar-se. A falta de estrogéneo desencadeia, entre outros, uma diminuição da lubrificação vaginal, fazendo com que a relação sexual se torne, eventualmente, dolorosa.

As alterações hormonais motivam também uma diminuição da libido. Mas a perda da vontade sexual é muitas vezes psicológica e associada ao facto das mulheres não estarem preparadas para envelhecer e ficarem inférteis.

Para June Reinisch, especialista em psicologia no Kinsey Institute, em Blooming, nos Estados Unidos, a nossa sociedade tem uma mentalidade muito adolescente, pois canaliza a maior parte das suas preocupações para os jovens.

Uma vez que a esmagadora maioria das pessoas têm sexo pela primeira vez na adolescência, tal experiência fica irremediavelmente associada a uma certa fase da vida.

Nesta perspectiva, para a maioria dos jovens não é de todo fácil imaginar os pais a ter uma relação sexual. E à medida que esses jovens crescem e, por seu turno, se tornam pais, é difícil aceitarem padrões sexuais ligados a uma idade mais avançada.

Outros factores que podem contribuir para a diminuição do desejo e alterações no comportamento sexual da mulher são a doenças do seu parceiro (que afectem a potência), morte dos pais ou stress profissional.

Ultrapassar os obstáculos para recuperar o prazer

Com ou sem psicoterapia, com ou sem tratamentos de reposição hormonal, a maioria das mulheres que entram na menopausa acaba por se habituar à sua nova fase da vida e a desfrutar do prazer sexual.

Estudos revelam que o prazer e a frequência dos actos sexuais não diminuem quando as mulheres atingem a menopausa, afirma Nancy Avis, professora das ciências da saúde na Wake Forest University, nos Estados Unidos.

Para a psicóloga June Reinisch, a capacidade de comunicação com o parceiro é a chave para manter uma vida sexual mais equilibrada, quando o sexo e a idade são tabus, as relações deterioram-se.

É importante que os casais compreendam que à medida que a idade vai avançado na mulher é necessária uma maior estimulação para atingir o orgasmo, refere a especialista, adiantando que o mesmo se passa com os homens.

De facto para as pessoas que agora estão a atingir a menopausa poderá, de facto, ser complicado associar a sua sexualidade à nova fase da vida, de um modo saudável, pois os padrões da sociedade podem ser inibidores.
Blog Widget by LinkWithin