14 agosto 2006

Cinderela


Eles são duas crianças a viver esperanças, a saber sorrir.
Ela tem cabelos louros, ele tem tesouros para repartir.
Numa outra brincadeira passam mesmo à beira sempre sem falar.
Uns olhares envergonhados e são namorados sem ninguém pensar.

Foram juntos outro dia, como por magia, no autocarro, em pé.
Ele lá lhe disse, a medo: "O meu nome é Pedro e o teu qual é?"
Ela corou um pouquinho e respondeu baixinho: "Sou a Cinderela".
Quando a noite o envolveu ele adormeceu e sonhou com ela...

Então,
Bate, bate coração
Louco, louco de ilusão
A idade assim não tem valor.
Crescer,vai dar tempo p'ra aprender,
Vai dar jeito p'ra viver
O teu primeiro amor.

Cinderela das histórias a avivar memórias, a deixar mistério
Já o fez andar na lua, no meio da rua e a chover a sério.
Ela, quando lá o viu, encharcado e frio, quase o abraçou.
Com a cara assim molhada ninguém deu por nada, ele até chorou...

E agora, nos recreios, dão os seus passeios, fazem muitos planos.
E dividem a merenda, tal como uma prenda que se dá nos anos.
E, num desses momentos, houve sentimentos a falar por si.
Ele pegou na mão dela: "Sabes Cinderela, eu gosto de ti..."

Carlos Paião

4 comentários:

  1. Quem não se lembra de Carlos Paião? Que boa e agradável partilha neste teu post. Boa semana ao som de...play back....Pó de Arroz entre outras :))))))))))))

    ResponderEliminar
  2. Grande Carlos Paião e que perda incrivel. Eram uma delicia as canções dele, as letras, as músicas, um ARTISTA. Bela e singela homenagem neste post simples e discreto. E ao som da Cinderela me despeço.

    ResponderEliminar
  3. Que ternura e que saudade do artista! Sempre eterno.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Bela escolha!..Quem não se lembra..Bela homenagem.Bjs

    ResponderEliminar

Blog Widget by LinkWithin