24 Março 2008

"Ilhas..."


(foto de Fernando Almeida)

Às vezes somos ilhas isoladas da vida.
Somos gente que ri, chora, canta, labuta,
Ama e vive na corda bamba do circo da vida.
Palhaços, trapezistas, contorcionistas,
Malabaristas, tudo o que podemos e quisermos ser.
Actores, directores de nós mesmos,
Disfarçados para a dor não nos ver.
Máscaras agarradas à alma,
Sufocando-a, impedindo-a de viver e amar.
Quando seremos nós mesmos?
Quando deixaremos de representar no imenso palco da vida?
Às vezes somos ilhas isoladas dentro de nós mesmos.
Que fazer?
Perdermo-nos da vida?
Encontrarmos outras ilhas como nós?
Ás vezes somos, tão somente, gente anónima!!!

angelis

23 Março 2008

E vão 4...

(imagem de Pedro Ferreira)

Tudo começou há 4 anos atrás...
Se alguém me dissesse, na altura, que iria criar um blog...diria que essa pessoa estaria louca.
Mas a verdade é que, aceitei o desafio e criei o Pé de Vento.

O aflores "meteu-me" o bichinho dos blogs no corpo...e o agostinho criou o logótipo e hoje, passados estes anos, o Pé de Vento ainda está por cá.

logótipo
Em tempo de mudanças profundas, continuo fiel ao principio que me levou a embarcar nesta aventura bloguista.

Por quanto tempo?

Não sei e também não interessa nada!!!

A todos que por aqui passam um abraço especial e não se esqueçam..."Ousem ser FELIZES"

PS: Uma curiosidade...este é o post 222 (e esta hein?)

06 Março 2008

Dias difíceis



Aprenda a gerir as suas emoções em casa e no trabalho.

Se fosse feito um inquérito à escala mundial com a pergunta «qual é o dia mais difícil da semana?», a resposta mais votada seria «segunda-feira». É o dia que marca o regresso ao trabalho, ao trânsito urbano e às mil e uma coisas que temos para fazer, sempre em metade do tempo.
Pior do que uma segunda-feira, só mesmo a primeira segunda-feira depois das férias. Mas, essa, há muito que já lá vai. Contudo, não desespere. Vários especialistas na área da Psicologia enunciam estratégias para reorganizar a sua agenda e permitir que, daqui em diante, o seu dia-a-dia seja (quase) uma réplica das suas férias. Sem stress.
Chega ao trabalho e, como sempre, liga o computador. Antes de ver as dezenas de e-mails que terão chegado na sua ausência, reveja as suas fotografias das férias deste Verão, escolha a melhor foto e coloque-a como fundo de ecrã, para poder evadir-se de vez em quando, enquanto olha para ela.
De volta à realidade, encontra trabalho acumulado, a adrenalina habitual e uma ou outra reacção adversa de um colega, desesperado com o muito que ainda tem para fazer.
Respire fundo e não se deixe dominar pela pressão. Pense nos seus objectivos de trabalho e organize-os por prioridades, definindo prazos intermédios que a permitam controlar a evolução dos acontecimentos.
A tensão entre colegas de trabalho, uma das causas mais comuns de stress laboral, resulta muitas vezes de falhas de comunicação.
Fomente o espírito de equipa e o diálogo e, caso se sinta pressionada, aborde o assunto com a pessoa em causa. Não esqueça outra regra de ouro: fique à margem dos mexericos.

Tempos livres
Tem dado à sua vida pós-laboral o espaço que merece? A felicidade depende, em grande parte, do equilíbrio entre três elementos da vida (pessoal, profissional e afectiva) e nenhum deve ficar esquecido.
Concentrar toda a importância num deles apenas contribuirá para aumentar a insatisfação e níveis de stress. Por isso, aproveite o tempo que lhe resta, a cada dia, para contactar com amigos (uma chamada de telefone já é um bom começo), acompanhar as proezas dos seus filhos ou reunir- se com as pessoas de quem mais gosta.
Substitua a televisão por uma boa música ou livro e não adie mais a ida ao spa que tanto anseia. O seu nome também deve constar na lista de prioridades e está na sua mão colocá-lo em destaque.
Para tal, dispa o fato de super-mulher e crie uma boa rede de apoio, com a ajuda da sua família e parceiro, que lhe permita partilhar as duras missões diárias. E enquanto as próximas férias não chegam, vá treinando aos fins de semana, aproveitando-os ao máximo na companhia de quem mais gosta.

A dois
Uma última questão: Das 24 horas que compõem o dia quantas passa a namorar? Visto o tempo que está a dormir ao lado do seu parceiro não poder ser contabilizado, é possível que os momentos juntos não excedam um par de horas.
Se se identifica com este cenário, precisa de tomar medidas.
Segundo Pilar Varela, psicóloga e autora do livro Amor Puro y Duro, há estratégias simples que pode pôr em prática: expressar afecto diariamente (com um beijo de bons dias, carícias ou palavras), partilhar experiências, aspirações e tomar decisões em conjunto, numa conversa ao fim do dia e, semanalmente, marcar um encontro para sair, divertir-se e voltar apaixonar-se pelo seu companheiro.
Evite pôr a intimidade em segundo plano e quebre a rotina com pequenos gestos que garantam que no final da semana terá um episódio para recordar, para além dos imprevistos do trânsito.

Fora de horas
Aprenda a deixar o trabalho... no trabalho!
1. Prepare a agenda para o dia seguinte, definindo prioridades.
2. Organize a secretária antes de sair, mesmo que não tenha terminado todas as tarefas.
3. Não leve trabalho para casa. Por um lado, terá tendência para fazê-lo, por outro, sentir-se-á culpada se não tiver tempo.
4. Faça uma pausa entre o emprego e casa. Vá ao café com amigos, dê um passeio a pé, veja as montras ou tome um banho relaxante ao chegar a casa.
5. Mude de roupa ao fim do dia. Um estilo informal e confortável vai ajudá-la a desligar.
6. Se lhe ocorrer uma ideia ou questão relacionada com o trabalho tome nota rapidamente e não pense mais nisso. No dia seguinte tratará do assunto.

Texto: Manuela Vasconcelos
A responsabilidade editorial desta informação é da revista saber viver

(fonte mulher.sapo.pt)

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin