24 março 2014

Despir o preconceito

(imagem retirada do Google)

Estava, na sala de espera, do Hospital de Dia, à espera da minha vez para a consulta de Oncologia e depois o tratamento, quando comecei a conversar com uma senhora que estava sentada ao meu lado.
Conversa daqui, conversa dali, até que tirei o meu chapéu e deixei a minha carequinha de fora.
De imediato, ela perguntou: - não se importa de mostrar a cabeça sem cabelo?
- Claro que não, é algo que não me incomoda nada e só ando de chapéu ou gorro polar porque está muito frio e quando rapei o cabelo, constipei-me. – respondi eu, segura de mim.
- Admiro a sua coragem. – respondeu a senhora.
- Não é uma questão de coragem, é sim assumirmos quem somos e o que temos de menos nesta altura da doença e, acima de tudo, não deixarmos que o cancro nos defina. Ou seja, eu tenho cancro, mas não sou o cancro.
E, continuei: - o preconceito somos nós e depois são os outros, que olham para nós como se fossemos algo esquisito, “coitadinhos”, porque temos cancro, “coitadinhos” porque não temos cabelo, e isso não pode prender-nos e não deixar que não vivamos. Temos que nos adaptar, passamos uma fase em que não somos tão autónomas, em que sofremos, em que sofremos alterações físicas e emocionais, mas continuamos vivas e acima de tudo, temos a OBRIGAÇÃO de continuar a VIVER, a SORRIR, sem o bendito preconceito.
A senhora sorriu e disse-me que eu devia ser uma mulher muito forte, ao que eu lhe respondi: - nada disso, resolvi apenas brincar com o cancro e prometi a mim mesma que ele não levaria a melhor.
Entretanto, reparo que, umas cadeiras ao lado, uma senhora, atenta à conversa e que até então estava enfiada no seu gorro, resolveu, também ela, assumir a sua careca com todo o orgulho e exibi-la sem preconceito.
No entanto, friso que respeito todas as MULHERES que não conseguem mostrar as suas carecas e não conseguem olhar-se ao espelho e verem-se sem cabelo, pois nem todas somos iguais.
Muitas vezes, nem é por elas, é pelos maridos, companheiros e até pelos filhos.
Mas não se esqueçam que LUTAM por ELAS mesmo e não por quem está ao seu lado, pois por muita força que alguém dê (e é sempre bem vinda) a luta é nossa e é por nós que lutamos e devemos VIVER. NUNCA deixemos de VIVER, ACREDITAR e SORRIR, por mais difíceis que sejam os nossos dias.


Esta, sou eu, careca, no dia em que rapei o cabelo, em Dezembro de 2013.
Assumo a minha careca, assumo que tenho cancro, pois não é ele que define quem eu sou.
Não desisti de VIVER, de SONHAR, de AMAR e SORRIR, porque no dia em que o fizer…MORRI
E…já sabem, nunca se esqueçam de…OUSAR SER FELIZES!!!

3 comentários:

  1. Nós os dois temos um problema... demoramos muito tempo a secar a nossa longa cabeleira! :)))))))))))))))))))))))))))))

    Temos que tirar uma foto com as duas KareKas juntas ;) :)))))))).... a tua pode ser mais sexy ;) mas a minha é mais bonita! ahahahahahahaha


    :)))))))))))

    Tudo de bom.

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  2. E é tão importante essa força de vontade esse querer a cura e acreditar nela. É por assim dizer uma parte do caminho para a cura.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Essa força de vontade é essencial! Grande beijo

    ResponderEliminar

Blog Widget by LinkWithin